Just Cause 2 – Hands-On

março 30, 2010 at 9:26 am 8 comentários


Just Cause 2 começa. Depois de duas missões scriptadas, você já está solto no mundo (grifei para deixar muito claro que é solto mesmo, num mundo mesmo).

Entre as primeiras coisas que fiz estava escalar uma montanha. O jogo obviamente não é pra isso, mas eu precisava ver até onde tudo aquilo ia. Tive um leve desapontamento de saber que as dimensões “reais” eram menores que as dimensões no mapa, mas logo esse pequeno desapontamento foi substituído por um imenso prazer de liberdade; são muitas possibilidades de ação à mão… muitas.

Essa é a chave de Just Cause 2 -> liberdade.

O protagonista é um homem-aranha que saiu da Matrix e treinou com Nathan Drake e Max Payne e superou os dois. Não há como não pensar que Scorpio (o protagonista) é uma espécie de super-herói. Você pula de onde e pra onde quiser, independendo da altura, e – sem abrir o pára-quedas antes – pode lançar seu gancho onde bem entender que a energia cinética é simplesmente absorvida. Você também pode tomar litros de tiros antes de começar a pensar em morrer; até sentir uma explosão pequena à 1 metro… nada disso te atinge.

Isso é um problema? Não mesmo! Just Cause 2 nunca aspirou à realista, passa longe. E talvez por isso esse jogo seja divertido: ele sabe te dar um monte de brinquedos pra fazer acrobacias improváveis à solta.

O que falha em Just Cause 2 é exatamente a tentativa de seriedade. A narrativa é boba. O jogo é sobre sair quebrando tudo sem muitos motivos, mas mesmo assim as vezes o jogo quer insistir em te dar motivos maiores ou mais nobres. São todos simplórios demais. A verdadeira graça está exatamente em vagar fazendo o que se bem entender e destruir muitas coisas. É o puro prazer da liberdade que só um jogo poderia trazer.

Ah! Mas aí alguém diz: todos já vimos isso em, por exemplo, GTA. Ok, a liberdade de ação está lá mesmo, no pai dos Sandboxes. Mas seu papel em GTA é bem diferente de Just Cause 2 e, logo, suas possibilidades também o são…

Aliás, são tantas possibilidades que é difícil falar aqui. E também nem gostaria, o divertido é descobrir sozinho. A única coisa que antecipo é: use seu gancho. Prenda as coisas com ele, prenda os inimigos com ele, prenda carros às paredes com ele – o gancho é a alma desse jogo.

Se você esta recentemente embarcando para Panau, este site traz algumas dicas úteis para maximizar a diversão. Resumindo e traduzindo algumas:

– Jogue em dificuldades baixas (no site falam pra jogar no casual mesmo), para aproveitar mais sua liberdade de movimentação sem sofrer mortes desnecessárias e possivelmente frustrantes. Nesse quesito eu tenho que concordar, comecei no hardcore e me arrependi. Não que seja muito difícil, mas porque as mortes constantes realmente atrapalham um pouco a sensação de liberdade.

– Desligue Soft Particles, High-res Shadows, Point Light Specular, SSAO, Bokeh Filter, GPU water simulation e V-Sync; aumente todo o resto e seja feliz! Segundo o pessoal aí, essas características não fazem diferença e comem pelo menos 5 FPS.

– Pegue a modificação para fazer sua corda invencível e para habilitar a multi-corda. Isso certamente vai aumentar suas possibilidades.

– Eles ainda falam sobre upgrades (mas acho que isso é para o jogador descobrir sozinho) e sobre o gancho, que enfatizei acima. Só pra não esquecer então: use o gancho à vontade!!

Terminando, Just Cause 2 não é exatamente o que eu mais gosto em um jogo. Eu aprecio muito um bom enredo. Matança livre e injustificada é a masturbação dos games. Mas, não posso negar que estou me divertido. Como disse aí tantas vezes, o segredo aqui é a simples liberdade… seduz qualquer um.

Just Cause 2 merece, ao menos, que você o experimente.

por Aron Pilotto Barco

Entry filed under: Uncategorized. Tags: .

Battlefield 1943 atinge 1 milhão de unidades vendidas Darksiders a caminho dos PCs

8 Comentários Add your own

  • 1. aroncoiote  |  março 30, 2010 às 10:50 am

    e… minha nota provisória para ele seria 8,0.

  • 2. desadoc  |  março 30, 2010 às 12:41 pm

    “Diversão livre e injustificada é a masturbação dos games.”
    fixed xD

  • 3. Camila Chimello  |  março 30, 2010 às 3:06 pm

    Ahh esse jogo… eu quero comprar esse jogo, tenho certeza que vou me divertir muito jogando isso =D

  • 4. Fabian Kurayami  |  março 30, 2010 às 3:42 pm

    Jogos descompromissados assim são mt bons =D

  • 5. Tiago Medeiros  |  março 30, 2010 às 8:22 pm

    O game tá demais!!
    Surpresas nos aguardam😉

  • 6. aroncoiote  |  março 31, 2010 às 10:17 am

    olha só… só a equipe comentou. =X

  • 7. ony2005  |  abril 10, 2010 às 8:59 pm

    Pelas fotos e videos senti essa sensação de liberdade também, mas quando peguei a demo fiquei meio desapontado com o jogo. Não consegui me acostumar com os controles e por mais clara a missão eu sempre acabava me perdendo do objetivo, resultando na minha morte!

    Preciso dar uma nova chance para o jogo, mas talvez não será tão cedo!

    Parabéns pelo blog e pelo review.

    Clique ai no meu nick e me visite lá no Clictec, abraços Brother!!!!

  • 8. ZéBedeu  |  abril 19, 2010 às 2:41 pm

    Esse jogo é sensacional. Vão por mim. Dá para fazer coisas cinematográficas com ele. Tipo decolar com o jatinho em estrada de terra e passar inclinado de lado por entre as árvores e depois aterrisar na estrada dando rasante sobre os carros tentando controlar o forte jato! Sensacional.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Seções

Arquivo


%d blogueiros gostam disto: