Archive for dezembro, 2008

HCG AWARDS – VENCEDORES

E, no último dia do ano, liberamos a nossa lista de melhores do ano! Muitas escolhas foram dificílimas (especialmente 3 categorias). Na verdade, em muitas das categorias poderiamos considerar mais de um vencedor, mas decidimos escolher apenas um por mais doloroso que isso fosse (com uma exceção).

Novamente, isto é apenas o gosto pessoal meu e do Roberto e temos certeza que vocês discordarão de algumas escolhas. O importante é que a lista de indicados era sólida e refletia os melhores do ano com apuramento.

AQUI ESTÃO OS MELHORES ENTRE OS MELHORES!

hcg_banner_21.png

Melhor enredo

Grand Theft Auto IV – RockStar North/RockStar Games (PS3/X360)

Melhor Visual Artístico

Prince Of Persia – Ubisoft Montreal/Ubisoft (PS3/360)

Melhor Visual Técnico

Gears of War 2 – Epic Games/Microsoft Game Studios (360)

Melhor dublagem

Grand Theft Auto IV – RockStar North/RockStar Games (PS3/X360)

Melhor Dublador(a) em performance individual

Michael Hollick, por Niko Belic – GTA IV  (PS3/X360)

Melhor trilha sonora

Grand Theft Auto IV – RockStar North/RockStar Games (PS3/X360)

Melhor trilha sonora original

Prince Of Persia – Ubisoft Montreal/Ubisoft (PS3/X360)

Melhor First-Person Shooter

Left 4 Dead – Valve/Eletronic Arts (X360)

Melhor Jogo de ação

Gears of War 2 – Epic Games/Microsoft Game Studios (X360)

Melhor jogo de ação/aventura/plataforma

Prince of Persia – Ubisoft Montreal/Ubisoft (PS3/X360)

Melhor jogo musical

Rock Band 2 – Harmonix e MTV Games/Eletronic Arts (PS3/X360)

Melhor jogo de luta

Soul Calibur IV – Project Soul/Namco-Bandai (PS3/X360)

Melhor jogo de esporte

FIFA 09 – EA Sports/Eletronic Arts (PS3/X360)

Melhor jogo de corrida

Pure – Black Rock Studios/Disney (PS3/X360)

Melhor RPG

Crisis Core: Final Fantasy VII – Square-Enix/Square-Enix (PSP)

Melhor multiplayer online

Left 4 Dead – Valve/Eletronic Arts (X360)

Jogo mais inovador

LittleBigPlanet – Media Molecule/Sony (PS3)

Decepção do ano

Too Human (Silicon Knights/Microsoft Game Studios (X360)

Surpresa do ano

Dead Space – EA Redwood Shores/Eletronic Arts (PS3/X360)
Prince of Persia – Ubisoft Montreal/Ubisoft (PS3/X360)

Notícia do ano

Final Fantasy XIII multi-plataforma

Jogo mais esperado de 2009 (já anunciado oficialmente)

Final Fantasy XIII – Square-Enix/Square-Enix (PS3/X360)

Estúdio/Distribuidora do ano

Eletronic Arts

Melhor exclusivo do Xbox 360

Gears of War 2 – Epic Games/Microsoft Game Studios

Melhor exclusivo do PlayStation 3

LittleBigPlanet – Media Molecule/Sony

Melhor jogo exclusivo do PSP

Crisis Core: Final Fantasy VII – Square-Enix/Square-Enix

Melhor jogo exclusivo do DS

The World Ends With You – Square-Enix/Square-Enix

Jogo do ano

Gears of War 2 – Epic Games/Microsoft Game Studios (X360)

dezembro 31, 2008 at 5:42 pm 11 comentários

Left 4 Dead – Review

left-4-dead-header

Produtora: Valve South Distribuidora: Valve Corporation/EA

Gênero: FPS Plataformas: Xbox 360 e PC Analista: Fabian Kurayami

Criado por uma das mais idolatradas especialistas em FPS do mundo, a Valve, Left 4 Dead veio com pedigree. Ainda assim, as imagens do jogo, com gráficos notadamente ultrapassadas, levantaram muitas suspeitas dos jogadores. Após algumas semanas testando o shooter multiplayer, finalmente temos um veredito. Descubra se o novo game da Valve deve ser salve ou deixado para trás no limbo do esquecimento.

Não julgue o livro pela capa

left-4-dead-20081117111615304

Sejamos honestos, os gráficos de Left 4 Dead estão longe de serem memoráveis. A modelagem dos personagens é simples e arcaica. As texturas estão em boa qualidade, mas a renderização não faz uso de nenhum processo esteticamente avançado como shaders e normal mappings. A aparência é de um jogo  absurdamente bonito da geração passada. Nesta geração entretanto, Left não consegue fazr concorrência a maioria dos seus concorrentes.

Felizmente o jogo tem bastante identidade. O character design é bacana, os ambientes são bem projetados e a animação beira a perfeição. Ver o modo que as hordas intermináveis de zumbis se movimentam e como reagem aos tiros é de um prazer difícil de se descrever. Aliás, o jogo prima mesmo pela fluidez. Mesmo com centenas de personagens correndo na tela o frame rate é inabalável, corre como um relógio suiço.

No fim das contas, o jogo não é bonito, mas em movimento desempenha seu papel com perfeição. São muitos inimigos na tela, todos com uma movimentação perfeita. Além disso o character design é ótimo. Acredite, Left 4 Dead é muito mais interessante em movimento do que nas imagens paradas.

A parte sonora deste FPS é bem mais impressionante. As vozes dos personagens são incríveis e eles estão sempre dizendo algo, pasme, relevante para a jogabilidade. Mesmo que você e seus amigos estejam jogando sem comunicação, o jogo se encarrega de criar algum elo entre os jogadores. Ou seja, quando você está mal de energia, seu personagem deixará isso bem claro para todo o grupo. Da mesma forma ele avisará quando precisa de cobertura enquanto recarrega ou contará aos colegas que achou algum item interessante para o grupo. Novamente, é um belo trabalho de “TÈCNICA EM FAVOR DA JOGABILIDADE”. Mantra que tem sido esquecido por muitas produtoras da atualidade.

Os efeitos de áudio também são ótimos. Os tiros são realistas e os grunhidos e barulhos dos inimigos são perfeitos e colaboram para criar a atmosfera frenética e tensa que o game se propõe. Escutar o choro da Witch nas caixas do home theater é uma sensação que todo gamer deveria experimentar.

Diversão x 1000!

left-4-dead-20081117111607870

Honestamente, não lembro de ter me divertido assim com um jogo multiplayer desde… hã…. ok, eu NÃO lembro de jamais ter me divertido tanto em um game multiplayer! Sério, Left 4 Dead é bom assim!

A proposta do jogo é bastante simples: 4 sobreviventes mais ou menos genéricos foram deixados para trás em um cenário devastado pela praga de zumbis e precisam procurar um modo de avisar ao governo onde estão.

Cada uma das “fases” (são 4) é um cenário diferente com a mesma história. O jogo apresenta a idéia como um filme. O jogador é o ator interpretando aqueles personagens em uma produção de terror zumbi “B”.

Premissa simples, direta e executada com perfeição. O jogo começa e não demora mais de alguns minutos para a ação começar. As hordas de zumbis aparecem em uma profusão gigante e que beira o ridiculo! Os jogadores devem avançar se mantendo juntos e cooperando. O egoísmo aqui não leva a lugar nenhum. Enquanto avança seu personagem chega em checkpoints, que são salas seguras com armas, primeiros socorros e munição. A sensação de encontrar uma destas após uma resistência desesperada do ataque da horda é de alívio e alegria infinitas!

O melhor de Left 4 Dead é como ele consegue criar um senso de amizade entre os jogadores. Após alguns minutos você tentará proteger seu companheiro e estará decidido a lutar de modo coordenado pela sobrevivência. Ajuda muito a opção de poder dar itens ao seu amigo, bem como curá-lo. O game incentiva isto e sempre vocÊ é ajudado ele faz questão de dizer quem foi aquele que te ajudou. Em pouco tempo todos possuem laços de colaboração mútua.

Em uma era de jogos tão competitivos é bom ver um game que se efsorça tanto, e consegue de modo brilhante, criar uma sensação de conquista tão saborosa em trabalhar ao lado de desconhecidos em prol de um objetivo comum.

Left 4 Dead merece destaque pela sua brilhante simplicidade.  O jogo não tenta reeinventar a roda, mas possui um design de fases fantástico e opções de jogabilidade que são incrivelmente eficientes. Com apenas 1 toque você consegue dar itens aos seus colegas, consegue curá-los ou levantá-los. Resident Evil 5 poderia copiar o sistema de troca de itens tão eficiente de Left 4 Dead.

left-4-dead-20081117111623848

O jogo também possui um modo competitivo que é bem divertido, mas é o co-op onde ele brilha. A Valve deu a possibilidade de dois jogadores jogarem em tela dividida no mesmo console. Você pode configurar a tela para se dividir de modo vertical ou horizontal, agradando a todos e dando a oportunidade daqueles sem LIVE se divertirem. Não, jogar de 2 não é tão fantástico como com 4 jogadores, mas é uma alternativa interessante para quem não possui LIVE. Ainda assim, se faltava a vocÊ uma boa justificativa para ficar on-line, agora vocÊ já tem. Left 4 Dead é absolutamente viciante.

Ah, eu mencionei que o jogo muda a localização de itens e inimigos toda vez que você joga? Isso pode não ser tão bom quanto colocar o dobro de fases, mas ajuda e muito para tornar as partidas ainda mais intensas.

Conclusão

A Valve mostrou mais uma vez que é mestre em criar jogos multiplayer e FPS. Se você adorou Counter-Strike ou Team Fortress 2, saiba que Left 4 Dead consegue ser infinitamente mais divertido que os trabalhos anteriores do estúdio. È um jogo simples, mas executado com perfeição assustadora.

Um daqueles trabalhos que nos fazem ter certeza que o hobby vale a pena e que nem sempre um monte de polígonos e efeitos significa um jogo realmente memorável. Um dos melhores jogos doa no e uma das experiências multiplayers mais sensacionais de todos os tempos.

Mais & Menos

+ Jogabilidade siples, intuitiva e divertida

+ Absurdamente viciante

+ Matchmaking rápido e partidas sem LAG

+ Homenagens ao cinema de terror B são ótimas

– Graficamente fraco

Notas

Apresentação: 9,0

Gráficos: 6,0

Jogabilidade: 9,5

Som: 9,5

Diversão: 10,0 (x2)

Média: 9,0

dezembro 31, 2008 at 4:48 pm 16 comentários

Mais detalhes sobre Fragile emergem

fragile-header

Três dos mais importantes desenvolvedores do promissor RPG de aventura Fragile (Wii) participaram de uma mesa redonda para responder sobre seu novo jogo.

Kentarou Kawashima (produtor), Keiko Harada (diretor de arte) e Munehito Yasui (programador chefe) revelaram que Fragile terá 30 horas de duração e que o desenvolvimento do jogo já dura 2 anos e todo o processo está custando “bastante dinheiro”. Eles comentaram que cogitaram fazer o jogo todo de exploração, sem combates, mas desistiram da idéia ainda no começo do ciclo de desenvolvimento.

A informação que Fragile é uma produção custosa aumenta as esperanças de um lançamento no ocidente e até mesmo um port para Playstation 3 ou Xbox 360. Cruzem os dedos!

dezembro 31, 2008 at 4:09 pm 3 comentários

Veja comparações entre Resident Evil 5 no 360 e PS3

Resident Evil 5 é, sem dúvida, um dos mais impressionantes jogos de 2009 em termos visuais. Ao lado de Final Fantasy XIII e Star Ocean 4, parece ser a resposta dos japoneses para as pérolas técnicas ocidentais como Gears Of War 2, Uncharted e cia. Os demos das versões de Xbox 360 e PS3 finalmente chegaram (o do 360 na LIVE e do PS3 em um disco bonus chamado RED para japas que compraram o PS3 após 18 de dezembro) e finalmente temos uma comparação de still shots em direct feed que garantem total nitidez nas comparações.

Como esperado a versão Xbox 360 tem gráficos superiores. Vale lembrar que a MT Framework (excelente engine da Capcom) foi pensada para o Xbox 360 e PC e só então foi adaptada para o Playstation 3. Além disso a péssima arquitetura de memória do videogame da Sony e a sua GPU com tendências a renderizar as cores de modo lavado não ajudam muito. Confira abaixo 3 imagens comparativas das duas versões e acesse o link no final do post para ir ao site com dezenas de comparações.

COMPARAÇÃO COMPLETA CLIQUE AQUI!

dezembro 30, 2008 at 3:18 pm 72 comentários

Fragile – Confira o belo primeiro trailer

Anunciado em setembro, exclusivamente para o Wii, Fragile é o novo RPG de aventura dos criadores de Eternal Sonata. O jogo tem uma premissa interessante:  O mundo perdeu quase todos os seus habitantes e um jovem procura uma companhia, tendo como guia a claridade da lua.

Agora o game ganha o seu primeiro trailer (em japonês) e ele é belíssimo. A direção de arte da tri-Crescendo continua impecável e o jogo usa do mesmo clima melancólico de Eternal Sonata. Quando lembramos que o Wii é um console com 2 ou 3 bons jogos, Fragile se torna ainda mais interessante.

Veja o vídeo abaixo e algumas imagens na nossa galeria.

dezembro 30, 2008 at 12:55 am 13 comentários

Ninja Blade – Hands-On

ninjabladeaNinja Blade é um jogo de ação melee (gênero de Devil May Cry e Ninja Gaiden) criado pelo mesmo time de Otogi, um dos melhores “jogos que ninguém comprou” da geração passada. O jogo está próximo do lançamento e chegou sem muito hype até aqui.

Conseguimos colocar nossas mãos na DEMO exclusiva para LIVE japonesa do game. Leia nossas impressões abaixo:

Impressões

O demo começa em um avião. Um “sensei” com visual bastante cliche explica para um grupo de ninjas que Tokyo está sofrendo um ataque como nenhum outro e eles precisam acabar com a infecção. O character design é bastante pobre e sem criatividade. Lembra um pouco os gore actions japoneses do final dos anos 90 como Immortal Blade e Versus…

Logo você salta do avião e o jogo pede para você apertar o botão que aparece na tela para matar os inimigos no meio da queda livre. O mecanismo é simples mas não empolga já que essa não é a forma ideal de dar ritmo ao começo de um jogo.

Ao aterrissar, v0cê começa a lutar. O combate é rápido, o frame rate fluido e é possivel usar 4 tipos de espadas logo de cara. Cada uma delas funciona melhor contra certos inimigos. Por exemplo, monstros com escudos devem ser atacados com a espada gigante. Algo interessante é o botão de DASH que proporciona uma movimentação rápida e bonita que fuinciona bem nos combates e cria combinações interessantes com os golpes. A impressão geral é que as lutas do jogo são boas e muito rápidas.

Após este curto trecho de combate uma sequencia de combate aéreo. Desta vez não é QTE. Você controla Ken (o protagonista) durante a queda. È possivel atacar inimigos, deslizar pela parede do prédio e etc. Tudo muito exagerado e bacana.

ninjablade1733_0006

Infelizmente a trilha sonora beira ao ridiculo. As musicas são sem vida e estão com o volume muito baixo.  È ridiculo ver seu personagem protagonizando momentos cheios de adrenalina com uma música de fundo que lembra aquelas de elevador.

Novamente mais QTEs bem simples e sem graça e depois o confronto com o chefe. Aqui o jogo bugou algumas vezes… Fiquei preso no lugar inicial em uma e em outra meu personagem começou a flutuar no ar paralisado enquanto eu atacava a aranha gigante. O combate em sí é divertido e lembra os chefes da era 2D onde você deve ficar desviando de vários projéteis de padrões diferentes enquanto corre em direção ao inimigo. Para isso você pode deixar o tem em câmera lenta.

A impressão que o jogo me deixou foi agridoce. È um jogo de boas idéias, mas o visual é mediano com uma direção de arte MUITO fraca e genérica. A trilha sonora é uma das piores que já ouvi e a dublagem bastante tosca, lembrando filmes B dos anos 80. Claro que a direção de arte pode melhorar em outros cenários e a trilha sonora pode ter músicas melhores que esta usada no DEMO mas, avaliando apenas esta versão, é de se ficar preocupado. Creio que os bugs não devem estar presentes na versão final, por isso não vou destacá-los novamente. Enfim, é um jogo de combates rápidos e divertidos e que serve como bom passa-tempo, mas não espere um título capaz de empolgar os fãs de Xbox 360 como Otogi fez a alguns anos atrás.

Mais & Menos


+ Combates rápidos e divertidos

+ Frame rate sólido

– Excesso de QTEs

– Direção artistica feia e sem personalidade

– Trilha sonora péssima

dezembro 29, 2008 at 11:56 pm 11 comentários

Natal de casal termina na prisão por Wii

116145-wii

A estupidez humana é notável. Mas a estupidez de alguns gamers… ah, priceless.

Heath Blom, de 24 anos, irritou sua namorada Randi Young, também 24, ao xingar o Wii que ele ganhou de Natal. Segundo a garota ele reclamou infantilmente o fato de não trer ganho um aeromodelo de controle remoto de Mil dólares. Blom nega que queria o avião antes de Abril, seu aniversário, já que segundo ele “Você não pode voar com um destes na neve”.

Entretanto Blom admite ter insultado o Wii que ganhou, irritando sua avó e irando sua namorada. Após chamar Blom de ingrato, a jovem o xingou pelo fato de não gostar do Wii.

“Ele disse que odiou. Ele magoou os sentimentos da avó dele”, explicou Young. “Quando ele não recebeu o avião ele ficou muito chateado. Agiu como um moleque de 10 anos.”

Enquanto a discussão continuava, Young começou a empacotar suas roupas e pertences para ir embora. Heath Blom ficou muito puto com isso. Não porque sua namorada estava indo embora, mas porque  levava o Wii com ela… “Ele me arrastou escada abaixo, me puxando pelo cabelo” declarou a jovem. Blom conta outra versão. Segundo o rapaz ele tentou bloquear a saída dela e acabou levando três socos no olho (Uuuuuuuuultra combo!) antes que ele decidisse puxar o cabelo dela. O pai de Randi Young declarou que ela estava com um ematoma no nariz. A policia foi eventualmente chamada e ambos os lados da discussão acabaram presos quando a polícia percebeu que os machucões eram reais.

MELHOR. NATAL. DE TODOS.

Tudo bem que o Wii é um lixo mas poucas vezes vi uma história de tamanha ingratidão, ignorância e intolerância. Errou a namorada Tyson e errou ainda mais o retardado aviador.

Abaixo a foto dos meliantes!

blom young

PS: O Destructoid diz que o presente foi um jogo de Wii e na Kotaku diz que foi o Wii em sí.

dezembro 29, 2008 at 9:14 pm 14 comentários

Posts antigos


Seções

Arquivo